Obama Versus Obamacare

NOVA YORK – A Lei de Proteção ao Paciente e Serviços de Saúde Acessíveis, símbolo da reforma de saúde que é a assinatura do presidente americano Barack Obama, de 2010, conseguiu estender a cobertura do seguro de saúde para milhões de americanos que, de outra forma, não o teriam. E, contrariamente aos alertas dos críticos, não elevou os custos da saúde; na verdade, há alguma esperança de que a curva de custos finalmente possa estar em movimento de queda.

Mas não há garantias de que o “Obamacare” conseguirá reduzir os custos altíssimos da saúde. Isso irá depender de outras políticas da administração Obama, particularmente em uma área aparentemente sem relação com a saúde: as atuais discussões entre Estados Unidos e Índia sobre propriedade intelectual. E aqui, Obama parece determinado a comprometer sua própria reforma, graças à pressão do poderoso lobby da indústria farmacêutica americana.

Os custos farmacêuticos representam um fator cada vez maior nos gastos americanos com a saúde. De fato, as despesas com medicamentos controlados, em termos de percentagem do PIB, quase triplicaram em apenas 20 anos. Reduzir os custos da saúde, portanto, exige uma maior concorrência na indústria farmacêutica – e isso significa permitir a produção e distribuição de medicamentos genéricos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/YqaN9VH/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.