President of Liberia Ellen Johnson Sirleaf John Moore/Getty Images

Mulheres africanas na liderança

TORONTO – África tem uma longa história de liderança feminina. Contudo, a liderança pode ser uma aspiração desafiante para as mulheres jovens do continente, devido às persistentes barreiras ao sucesso. Se os países africanos - e as mulheres de África - quiserem explorar o seu potencial, isso tem de mudar.

As mulheres foram líderes na linha de frente da luta pela descolonização de África. A rainha Anna Nzinga, a monarca dos reinos Ndongo e Matamba, onde hoje é Angola, passou décadas a lutar para proteger o seu povo dos portugueses e do seu comércio de escravos em expansão. Em 1900, Yaa Asantewaa, a rainha mãe do Império Ashanti (parte do atual Gana), liderou uma rebelião contra o colonialismo britânico. Quase três décadas mais tarde, as mulheres no sudeste da Nigéria organizaram uma revolta, conhecida como a Revolta das Mulheres de Aba, contra as políticas coloniais britânicas.

Mais recentemente, a presidente Ellen Johnson Sirleaf – vencedora do Prémio Nobel da Paz – conduziu o seu país à reconciliação e à recuperação após uma longa década de guerra civil, gerindo em simultâneo uma epidemia devastadora do vírus Ébola. A antiga ministra da Saúde ruandesa, Agnes Binagwaho dedicou a sua carreira a conseguir um acesso equitativo aos cuidados de saúde dentro e fora do seu país. Quando era adolescente, Kakenya Ntaiya concordou em se submeter a uma circuncisão feminina (um tradicional ritual de passagem Maasai) em troca da oportunidade de ter educação. Após conseguir tirar um doutoramento em educação, ela fundou a Kakenya’s Dream, que se foca na educação de raparigas, em acabar com as práticas tradicionais nocivas e edificar as comunidades rurais no Quénia.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/E1vJP7ipt