Skip to main content

Retomar a Segurança Nuclear

VIENA – Nestes dias de angústia económica, doenças potencialmente pandémicas, e agitação civil generalizada, poderá parecer surpreendente que tantas pessoas à volta do mundo ainda encarem o conflito nuclear como a maior ameaça enfrentada pela humanidade.

Existe uma boa razão para pensarem assim. Consideremos os efeitos potenciais de uma explosão nuclear de 50 megatoneladas, semelhante à da Tsar Bomba, detonada em Outubro de 1961, que despedaçou vidraças a 900 quilómetros (560 milhas) de distância e enviou uma nuvem em forma de cogumelo para além da estratosfera.

Os acordos globais como o Tratado de Não-Proliferação Nuclear (TNP), juntamente com o sentimento geral de boa vontade imediatamente posterior à Guerra Fria, poderão ter criado a ideia de que uma arma desse tipo nunca seria usada em combate. Mas existe uma noção crescente de que poderemos não estar ainda completamente descansados.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/iodh4fc/pt;
  1. bildt69_DELIL SOULEIMANAFP via Getty Images_syriansoldiermissilegun Delil Souleiman/AFP/Getty Images

    Time to Bite the Bullet in Syria

    Carl Bildt

    US President Donald Trump's impulsive decision to pull American troops out of northern Syria and allow Turkey to launch a military campaign against the Kurds there has proved utterly disastrous. But a crisis was already inevitable, given the realities on the ground and the absence of a coherent US or Western policy in Syria.

    8

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions