Defender a Diplomacia em Tribunal

DUBLIN – As recentes revelações do antigo analista dos serviços de informação dos EUA, Edward Snowden, sugerem, entre outras coisas, que a Agência para a Segurança Nacional (ASN) dos EUA colocou dispositivos de vigilância na missão da União Europeia em Washington, DC. Muitos Europeus, incluindo eu próprio, têm dificuldade em perceber porque o debate sobre Snowden nos Estados Unidos consagrou tão pouca atenção a descobrir se as suas alegações são verdadeiras e, se o forem, o que significa isso para o direito internacional, para a diplomacia dos EUA, e para a segurança nacional da América.

Os EUA devem responder às alegações – inicialmente ventiladas num relatório publicado pela revista Alemã Der Spiegel – e fornecer uma correcta explicação das suas acções. Se não o fizerem, a UE deveria levar a América a tribunal.

A Convenção de Viena de 1961, ratificada pelos EUA, regula o direito internacional da diplomacia e das missões diplomáticas. Os próprios EUA basearam-se na Convenção, para apresentar em 1980 um caso contra o Irão no Tribunal Internacional de Justiça (TIJ) em Haia, um ano depois de estudantes e outros Iranianos, com a bênção evidente do regime revolucionário, terem invadido a embaixada Americana em Teerão e sequestrado os seus diplomatas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/G4kxzfN/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.