Terceira fase da crise do Euro?

BERKELEY – as duas primeiras vertentes da crise do euro – uma crise bancária que resultou da alavancagem excessiva em ambos os sectores público e privado, seguida de uma acentuada queda na confiança nos governos da zona euro - têm sido abordadas com sucesso, ou pelo menos parte delas. Mas isso deixa o terceiro, mais longo, e mais perigoso factor subjacente à crise: o desequilíbrio estrutural entre o Norte e o Sul da zona euro.

Primeiro, as boas notícias: O receio de que os bancos da Europa poderiam desmoronar, com a fuga dos investidores em pânico pela sua segurança, produzindo uma grande depressão europeia, parece ter agora terminado. Da mesma forma, o medo, alimentado inteiramente pela política disfuncional da União Europeia, de que os governos da zona euro pudessem faltar aos compromissos – causando, desse modo, as mesmas consequências terríveis – começou a dissipar-se.

Se a Europa pode evitar uma depressão profunda, isso depende da forma como lidará com estes dois aspectos da crise. Mas se a Europa, como um todo, puder evitar décadas perdidas de crescimento económico, o que ainda persiste na balança, isso depende se os governos do Sul da Europa conseguem restaurar rapidamente a competitividade.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/YQniqzB/pt;