Kim Won-Jin/AFP/Getty Images

Na Coreia do Norte o tempo escasseia

NOVA IORQUE – Existe um consenso crescente de que a primeira crise verdadeira da presidência de Donald Trump poderia envolver a Coreia do Norte e, mais especificamente, a sua capacidade de colocar uma ogiva nuclear num ou mais mísseis balísticos com alcance e precisão suficientes para atingir os EUA. Esta crise poderia igualmente ter outra origem: um grande aumento do número de ogivas nucleares produzidas pela Coreia do Norte, o que é prova de que vende materiais nucleares a grupos terroristas, ou ainda a utilização das suas forças militares convencionais contra as forças da Coreia do Sul ou dos EUA ali estacionadas.

Não há tempo a perder: qualquer um destes acontecimentos pode ocorrer nos próximos meses ou anos. A paciência estratégica — a abordagem em relação à Coreia do Norte que caracterizou vários governos norte-americanos desde o início da década de 1990 — chegou ao fim.

Uma das estratégias possíveis consistiria em aceitar simplesmente como inevitável o aumento contínuo da quantidade e da qualidade do armamento nuclear e dos mísseis da Coreia do Norte. Os EUA, a Coreia do Sul e o Japão apoiar-se-iam numa combinação de defesa balística e de dissuasão.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/L0l1Pmw/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.