21

Um melhor plano económico para o Japão

NOVA IORQUE – já passou um quarto de século desde o rebentamento da bolha dos ativos no Japão – e um quarto de século de mal-estar à medida em que uma “década perdida” se sucedeu a outra. Algumas das críticas das suas políticas económicas são injustificadas. O crescimento não é um objetivo em si; devíamos estar preocupados com os padrões de vida. O Japão lidera na contenção do crescimento da população e tem aumentado a produtividade. O crescimento da produção por pessoa ativa, especialmente desde 2008, tem sido maior do que nos Estados Unidos e muito maior do que na Europa.

Ainda assim, os japoneses acreditam que podem fazer melhor. Eu concordo. O Japão tem problemas tanto no campo da oferta como no da procura, e tanto na economia real como nas finanças. Para resolvê-los, é necessário um programa económico que seja mais provável de ser trabalhado do que as medidas que os governantes adotaram recentemente, as quais não conseguiram atingir as suas metas de inflação, restaurar a confiança ou impulsionar o crescimento para o nível desejado.

Chicago Pollution

Climate Change in the Trumpocene Age

Bo Lidegaard argues that the US president-elect’s ability to derail global progress toward a green economy is more limited than many believe.

Para começar, um grande imposto sobre o carbono, se for acompanhado por “financiamento ecológico”, estimularia um enorme investimento para modernizar a economia. É quase certo que este estímulo excederia o efeito de contração do dinheiro a ser retirado do sistema e o efeito negativo da riqueza da diminuição do valor dos “ativos de carbono”. O efeito adverso sobre a riqueza da diminuição do valor dos ativos de carbono seria pequeno; e, com o stock de capital mal sincronizado com o novo sistema de preços, o investimento desencadeado seria grande, a menos que houvesse obstáculos na eliminação das lacunas.

Nesse caso, o dinheiro gerado pelo imposto poderia ser utilizado para reduzir a dívida pública; por outro lado, ele poderia ser usado para financiar os investimentos na tecnologia e na educação – incluindo medidas a nível da oferta para melhorar a produtividade do setor de serviços do Japão. Estas despesas poderiam, simultaneamente, estimular a economia de uma forma que iria finalmente retirá-la da deflação.

Muitos estrangeiros preocupam-se com a dívida do Japão, que é de fácil manutenção nas taxas de juro baixas prevalecentes nos dias de hoje, mas não seria se as taxas aumentassem para níveis mais normais. Enquanto não vejo esse cenário num horizonte próximo, o Japão poderia empreender duas políticas para vacinar-se contra tais preocupações.

Primeiro, poderia trocar algumas das suas dívidas por perpetuidades, títulos que nunca são reembolsados, mas pagam uma taxa de juro (pequena) todos os anos. Isto desviaria inteiramente o risco dos registos do governo. Alguns podem recear que seria inflacionário; mas na economia invertida do Japão, a inflação é exatamente o que é necessário. Acredito que as preocupações com um súbito aumento nas taxas de juro sejam extremamente exageradas; mas, numa abundância de precaução, o governo poderia trocar, por exemplo, 5% da sua dívida todos os anos, a menos que, e até que, as pressões inflacionárias excessivas aparecessem.

Em alternativa, o governo poderia trocar a dívida por dinheiro sem juros – a monetização há muito temida da dívida pública. Mesmo que o financiamento monetário tivesse mais probabilidade de impulsionar a inflação do que a troca da dívida por perpetuidades remuneradas a juros, este é dificilmente um argumento contra ele: é apenas um argumento para ir mais devagar.

A segunda forma de o Japão se poder proteger de um pico de taxas de juro começa a partir do reconhecimento de que uma grande parte do dinheiro que o governo deve, deve a si mesmo. Muitos em Wall Street não parecem entender que o que importa é a dívida líquida – o que o governo deve ao resto da sociedade. Se o governo pagar o dinheiro que deve a si mesmo – compensando, com efeito – ninguém daria pela diferença. Mas aqueles em Wall Street, que olham apenas para o título da relação dívida/PIB iriam de repente sentir-se melhores em relação ao Japão.

Se depois de tudo isto, ainda houver evidências de falta de procura, o governo poderia reduzir os seus impostos sobre o consumo, aumentar os créditos fiscais de investimentos, expandir os programas para ajudar famílias de baixo e médio rendimento ou investir mais em tecnologia e educação, financiando tudo isto através da emissão de dinheiro. Mais uma vez, a velha economia iria preocupar-se com a inflação; mas o Japão quer que esses “medos” se tornem realidade.

O Japão tem mais do que um problema na área da procura. Dados da produção trabalhada por hora sugerem um problema na área da oferta, mais claramente manifestado no setor dos serviços, onde a engenhosidade impressionante vista em muitas indústrias de fabricação normalmente não está à prova. Um nicho natural para o Japão seria o desenvolvimento tecnológico no setor dos serviços – tal como o desenvolvimento de instrumentos de diagnóstico na indústria de cuidados de saúde.

O primeiro-ministro, Shinzo Abe, no entanto, optou por uma abordagem bastante diferente, ao apoiar o acordo de comércio transpacífico (TPP) com os EUA e dez outros países da orla do Pacífico. Abe acredita que o TPP forçaria reformas necessárias na agricultura interna (embora, curiosamente, ninguém nos EUA ache que isso ajudaria os EUA a afastarem-se das suas políticas agrícolas altamente distorcidas). Na verdade, tais reformas teriam um efeito minúsculo sobre o PIB, simplesmente porque a agricultura é uma parte muito pequena da produção económica. No entanto, tais reformas permanecem desejáveis e fornecem outro palco no qual jovens japoneses poderiam mostrar a sua engenhosidade (embora o TPP não seja a melhor forma para isso acontecer).

Fake news or real views Learn More

Por outro lado, Abe está certo em defender políticas para integrar as mulheres de forma mais plena e igualitária no mercado de trabalho. Se forem bem-sucedidas, tais medidas irão fornecer um impulso para a produtividade e o crescimento.

Mesmo após um quarto de século de estagnação, o Japão continua a ser a única maior terceira economia mundial. As políticas que podem ajudar a elevar os seus padrões de vida irão estimular a procura e o crescimento noutro lugar na economia global. Igualmente importante, do mesmo modo que partilhou as suas tecnologias e os seus produtos inovadores com o mundo, o Japão pode acabar por exportar políticas bem-sucedidas, com medidas iguais ou similares para também aumentar os padrões de vida noutros países avançados.