Netanyahu, o Palestiniano

FILADÉLFIA – Em Janeiro, os eleitores Israelitas irão às urnas numa eleição que promete atribuir um novo mandato ao primeiro-ministro Binyamin Netanyahu. Poucas situações serão mais odiosas para a esquerda Israelita, para o governo do Presidente dos EUA Barack Obama, para a maioria dos líderes europeus, ou para muitos Judeus Americanos.

Mas ninguém encara a perspectiva de um novo governo de Netanyahu com mais angústia do que os Palestinianos. Na história do longo e tortuoso conflito Israelo-Árabe, nunca os palestinianos odiaram um primeiro-ministro Israelita – com a possível excepção de Ariel Sharon – mais do que Netanyahu. A razão é simples: ele é um deles.

Literalmente, é claro, ele não o será. Mas, ao contrário de anteriores primeiros-ministros Israelitas (novamente, com a possível excepção de Sharon), Netanyahu tem emulado a estratégia política Palestiniana da sumud, ou perseverança firme.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/5L8LtnH/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.