O mito das emissões líquidas nulas

BERLIM – As emissões resultantes da combustão de carvão, óleo e gás estão a provocar o aquecimento do nosso planeta a uma velocidade tão rápida que parece quase inevitável a ocorrência de condições climáticas cada vez mais voláteis e perigosas. É claramente necessário reduzir rapidamente as emissões, desenvolvendo simultaneamente fontes de energia alternativas que nos permitam deixar os combustíveis fósseis no solo.

Este imperativo é chocante de tão simples. No entanto, nas últimas décadas as alterações climáticas têm sido objecto de tal inércia política, informações falsas e ilusões, que continuamos a ver soluções ineficazes ou impossíveis, em vez de um esforço para atacar a raiz do problema. Estas "soluções" baseiam-se frequentemente em novas tecnologias inexistentes ou de risco.

Esta abordagem é grandemente vantajosa, pois não ameaça o figurino habitual nem a ortodoxia socioeconómica. Porém, os modelos climáticos que dependem de tecnologias vagas enfraquecem o imperativo de realizar as profundas mudanças estruturais necessárias para evitar uma catástrofe climática.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/xx5477w/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.