uk wage protest Wiktor Szymanowicz / Barcroft Media via Getty Images

As raízes políticas do menor crescimento salarial

NOVA DELI – Já é oficial: em todo o mundo, os trabalhadores estão a ganhar menos. O último Relatório Global sobre Salários da Organização Internacional do Trabalho (OIT) conclui que, excluindo a China, os salários reais (ajustados pela inflação) cresceram à taxa anual de apenas 1,1% em 2017, descendo dos 1,8% de 2016. Este crescimento foi o menor desde 2008.

Nas economias avançadas do G20, os salários reais médios cresceram apenas 0,4% em 2017, comparados com um crescimento de 1,7% em 2015. Embora os salários reais tenham subido 0,7% nos Estados Unidos (contra 2,2% em 2015), estagnaram na Europa, onde os pequenos aumentos verificados nalguns países foram compensados pelas diminuições em França, Alemanha, Itália e Espanha. O abrandamento das “histórias de sucesso”, como a Alemanha e os Estados Unidos, é particularmente surpreendente, dado o superávite das contas correntes da primeira, e o decréscimo do desemprego e os mercados laborais limitados do segundo.

Nos mercados emergentes, o crescimento salarial médio em 2017, de 4,3%, foi mais rápido do que nas economias avançadas do G20, mas mesmo assim foi mais lento que no ano anterior (4,9%). A Ásia desfrutou do crescimento mais rápido dos salários reais, em grande parte devido à China e a alguns países mais pequenos, como o Camboja, o Sri Lanka, e Myanmar. Mas, globalmente, o crescimento salarial nas economias asiáticas desacelerou em 2017. E na América Latina e África, vários países testemunharam diminuições nos salários reais.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/JFGT02Gpt