O MNA em Teerão

NOVA DELI - Actualmente, o Movimento dos Países Não-Alinhados (MNA) já não é propriamente um movimento. Com o fim da Guerra Fria, o movimento foi fragmentado num agrupamento bastante mais heterodoxo, cuja abrangência dos seus membros vai desde os regimes de esquerda, como Cuba, Coreia do Norte e Venezuela, às monarquias conservadoras (Arábia Saudita, Bahrein, Qatar) do Golfo Pérsico. Por isso, não é de admirar que a cacofonia ideológica tenha diluído bastante a ideia que motivou a formação do grupo, que era a de evitar o envolvimento nas disputas das superpotências mundiais.

Assim, actualmente o MNA é um grupo em busca de um objectivo e de um princípio. Aparentemente, o seu único conforto é o facto de ainda não ter desaparecido.

Mas, apesar do seu reduzido estatuto, a cimeira do MNA, que teve lugar recentemente em Teerão, conseguiu despertar a atenção do mundo. Alguns membros questionaram sobre a razão de se realizar a cimeira em Teerão. No entanto, estas interpelações apenas foram levantadas por aqueles que ainda vêm o grupo como uma forma de fazer finca-pé às superpotências. A resposta - "Por que não em Teerão?" – causou mais irritação do que tranquilidade.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/WjB0uEY/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.