De Myanmar para Birmânia, outra vez?

NOVA DELI – em maior ou menor quantidade, a Ásia ainda vive com a herança contaminada do imperialismo. Veja o debate que decorre agora em Myanmar – ou Birmânia para alguns. Uma vez que a língua imperial achou difícil pronunciar “Myanmar”, os eficientes senhores britânicos do país rebaptizaram-no de Birmânia (desenhando de novo as suas fronteiras para compor o cenário).

O novo nome permaneceu inalterado até o regime militar, que governou o país durante décadas, ter restabelecido o primeiro nome em 1989. Ironicamente, no entanto, o novo governo da oposição democrática gostaria de trazer de volta o nome Birmânia, argumentado que “Myanmar” simboliza a ditadura que tanto querem esquecer.

Mas o passado nunca pode ser verdadeiramente apagado. Nem mesmo Mao Zedong, com a fúria libertada durante a Revolução Cultural chinesa, poderia fazer desaparecer os “Quatro Velhos” (velhos costumes, velha cultura, velhos hábitos e velhas ideias). E independentemente de se dizer “Yangon” ou “Rangum” para se identificar a capital da Myanmar/Birmânia, o lugar continua a ser o que o escritor britânico Norman Lewis, expoente da literatura de viagem, descreveu como “imperial e rectilíneo...construído por um povo que se recusou a comprometer-se com o Oriente”.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/AZ8mre3/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.