signe7_Robert BonetNurPhoto via Getty Images_vaccines africa Robert Bonet/NurPhoto via Getty Images

África tem de produzir as suas próprias vacinas

WASHINGTON, DC – Durante a pandemia, os países ricos assumiram a liderança no rápido desenvolvimento e produção de vacinas contra a COVID-19. Os mesmos países compraram e administraram essas vacinas às suas próprias populações e até encomendaram reforços para pessoas já vacinadas. Enquanto isso, muitos países em desenvolvimento não conseguiram distribuir nem sequer uma dose para a maioria das suas populações.

África, em particular, está a debater-se com o acesso limitado às vacinas contra a COVID-19. No dia 31 de agosto, os países africanos tinham administrado 94 milhões de doses à população do continente, que conta com quase 1,4 mil milhões de pessoas, com um fornecimento total de 134,5 milhões. Em contrapartida, os Estados Unidos – com uma população total de 332 milhões de pessoas – administraram mais de 375 milhões de doses de vacinas.

Esta disparidade reflete, em parte, o facto de a maioria dos países africanos não ser capaz de produzir as vacinas necessárias para proteger as suas populações não apenas contra a COVID-19, mas também contra uma miríade de outras doenças que assolam o continente. África acolhe apenas quatro fabricantes locais de ingredientes farmacêuticos ativos para serem usados na produção de vacinas – há mais dois em desenvolvimento – e duas instalações de “enchimento e acabamento” que dependem das vacinas importadas para produzir doses distribuíveis. As interrupções na cadeia de abastecimento durante a pandemia de COVID-19 mostraram o quão arriscada pode ser essa dependência das importações de produtos médicos essenciais.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/bVgwcL9pt