2

O Fantasma de Monnet

 LONDRES - Algumas ideias boas assemelham-se a um objecto bonito com uma bomba relógio no seu interior. Apesar de não ter sido concebido para explodir, é bem provável que o ideal de uma Europa unificada se venha a desintegrar. Para se perceber as razões desta desintegração, é útil rever as origens intelectuais da União Europeia.

Um dos principais arquitectos da União Europeia, Jean Monnet, diplomata e economista francês, passou grande parte da Segunda Guerra Mundial em Washington DC, como negociador dos aliados europeus. Após a derrota da Alemanha, a sua convicção era a de que apenas uma Europa unida poderia impedir outra guerra devastadora no Ocidente. "Não haverá paz na Europa", escreveu ele no seu livro de memórias, "se os estados forem reconstituídos com base na soberania nacional".

Quase todos no continente europeu concordaram com esta ideia, exaustos que estavam devido à guerra e confrontados com as instituições destroçadas dos seus devastados Estados-nação. Apenas os britânicos vitoriosos, com as suas antigas instituições mais ou menos intactas, manifestaram o seu cepticismo, não tanto a respeito da união continental, mas mais sobre a sua participação no ambicioso projecto da Europa.

É claro que o ideal de uma Europa unida é muito mais antigo que o plano de Monnet. Se não remontar à época de Roma antiga, é com certeza tão antigo como o Sacro Império Romano do século X. Desde então, o ideal europeu tem sofrido muitas alterações, mas houve dois temas em que se manteve constante.