pulse of europe demonstration Andreas Arnold/AFP/Getty Images

Defender a Europa

BRUXELAS – A União Europeia de hoje necessita tanto de salvação como de reinvenção radical. Salvar a UE é o mais importante, porque a Europa corre perigo existencial. Mas tal como salientou o presidente francês, Emmanuel Macron, durante a sua campanha eleitoral, não será menos importante reavivar o apoio de que a UE costumava gozar.

O perigo existencial que a UE enfrenta é, em parte, externo. A União está rodeada por potências hostis ao que esta representa: a Rússia de Vladimir Putin, a Turquia de Recep Tayyip Erdoğan, o Egipto de Abdel Fattah el-Sisi, e a América que Donald Trump criaria se conseguisse.

Mas a ameaça também provém do interior. A UE é governada por tratados que, no seguimento da crise financeira de 2008, perderam em grande parte relevância face às condições prevalecentes na zona euro. Até as inovações mais simples e necessárias para tornar sustentável a moeda única só podem ser aplicadas através de acordos intergovernamentais à margem dos tratados existentes. E, à medida que o funcionamento das instituições europeias se complicou cada vez mais, a própria UE se tornou gradualmente disfuncional em alguns aspectos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/QmaJ4G0/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.