Catching the Sun Alfonsina Blyde/Flickr

Recuperar os Cérebros

DUBAI – Em 1968, enquanto estudava na Escola de Cadetes Mons Officer no Reino Unido, precisei de ir a um hospital. Aí encontrei um médico que, para minha surpresa, falava Árabe fluentemente. Percebi que estava há pouco tempo no Reino Unido, e por isso perguntei-lhe se pretendia ficar durante muito tempo ou voltar para casa. Ele respondeu-me com um provérbio Árabe que se traduz como: “A minha casa é onde eu puder comer.”

As palavras desse médico permaneceram comigo durante muitos anos, porque sublinhavam a contradição entre a nossa visão idealizada de “casa” e as duras realidades da vida, que obrigam pessoas talentosas a deixar as suas casas.

O médico era um caso clássico do fenómeno de “fuga de cérebros”, que tem assolado os países em desenvolvimento desde há décadas. Estes países gastam os seus parcos recursos a educar médicos, engenheiros, e cientistas, na esperança de que se tornem motores da prosperidade. Depois, assistimos consternados à sua migração para o Ocidente, levando com eles a promessa do seu talento.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/uFQkMYY/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.