Ditador democrático do Egipto?

CAIRO – Mohamed Morsi, o primeiro Presidente civil eleito do Egipto, concedeu recentemente a si próprio, vastos poderes temporários, a fim, segundo ele, de realizar os objectivos da revolução que derrubou a ditadura de Hosni Mubarak. Mas os decretos suscitaram uma forte oposição por parte de muitas das forças revolucionárias que ajudaram a derrubar Mubarak (bem como de forças leais a ele), com protestos a surgirem de novo na Praça Tahrir, no Cairo.

Morsi foi assim colocado na posição pouco vulgar de ter de defender a sua decisão perante os manifestantes, ao mesmo tempo que desenvolve um esforço comum com eles. “Eu partilho o vosso sonho de haver uma constituição para todos os egípcios e com três poderes independentes: executivo, legislativo e judicial”, disse aos seus oponentes. “Quem quer que seja que queira que os egípcios percam esta oportunidade, eu irei travá-lo”. Sendo assim, será que o “auto-golpe” de Morsi era necessário para ter consciência dos objectivos manifestamente democráticos da revolução?

A nova Declaração Constitucional, a Lei de Protecção da Revolução e os novos decretos presidenciais têm várias intenções:

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/rEESgHH/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.