Paul Lachine

A Próxima Crise de Merkel

BERLIM – Com a Europa atolada na crise financeira e com os seus governos nacionais a caírem ou a serem derrotados em eleições por todo o continente, a Alemanha tem parecido uma ilha de prosperidade e estabilidade. A Chanceler Angela Merkel apareceu como a corporização da nova força do filho problemático da velha Europa, um país admirado por uns e odiado por outros.

Mas isso foi o mês passado. Desde então, o presidente do país, Christian Wulff, que foi eleito com o apoio de Merkel, foi forçado a demitir-se, devido a erros que cometeu enquanto Ministro-Presidente da Baixa Saxónia. Adequadamente, a sua queda ocorreu no auge do carnaval Alemão: enquanto os Católicos no Oeste e no Sul da Alemanha celebravam, os Protestantes da Alemanha do Leste em Berlim consolidavam o seu domínio no poder. A Alemanha terá um pastor Protestante como o seu chefe de estado, para além de ser governada por uma filha de um pastor Protestante.

Isto é dificilmente uma questão para os Alemães normais, porque a religião não tem quase importância na vida pública Alemã (desde que a religião em questão não seja o Islão). Mas é um tema importante para o principal partido do governo na Alemanha, a União Democrata Cristã (CDU), e ainda mais para o seu partido-irmão da Baviera, a União Social Cristã (CSU).

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/MepxAIc/pt;