People protest against Rafael Correa government Patricio Realpe/LatinContent/Getty Images

Uma lição para as autoridades reguladoras da comunicação social

QUITO – Para compreendermos as possíveis consequências das constantes denúncias sobre a imprensa do presidente dos EUA, Donald Trump, não precisamos de ir mais longe do que o Equador onde os meios de comunicação social foram atacados durante vários anos pelo governo do antigo presidente, Rafael Correa. Durante a sua presidência entre 2007 e 2011, Correa implementou uma série de medidas que visavam reprimir a liberdade de imprensa. E, tal como Trump, usava regularmente a comunicação social como bode expiatório para mobilizar os seus apoiantes.

Em 2015, Correa conseguiu fazer aprovar uma alteração constitucional que reclassificou as comunicações como um serviço público, análogo à água ou à electricidade, autorizando deste modo um maior controlo estatal sobre a informação. E com o objectivo expresso de garantir uma “cobertura equilibrada pelos meios de comunicação”, pressionou para que a Lei da Comunicação do Equador fosse aceite, e promulgou regulamentação adicional que permitia ao governo reprimir os jornalistas com multas, desculpas públicas forçadas, e mesmo penas de prisão.

Tal como Trump, Correa aparecia por vezes em programas de televisão ou de rádio a denunciar jornalistas pelo nome; e o seu governo levou organizações noticiosas repetidas vezes a tribunal. Como exemplo, Correa moveu um processo de 80 milhões de dólares contra o El Universo, um dos maiores jornais do país. No final, o jornal foi forçado a pagar 40 milhões de dólares em troca de um “perdão”.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/BXkneBa/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.