Media production Oli Scarff/Getty Images

O controlo dos meios de comunicação social na era digital

NOVA IORQUE – Os últimos anos não foram positivos para a liberdade de expressão. Os governos da Polónia, Hungria e Turquia tornaram-se cada vez mais autoritários e - tal como líderes dos Balcãs, China e Rússia - cada vez mais determinados em controlar o discurso público. Além disso, nos EUA, o Presidente Donald Trump tenta incansavelmente desacreditar os meios de comunicação social e a sua administração revela um nível de inacessibilidade à imprensa nunca antes visto.

A era dos censores que redigem fisicamente os jornais, tal como pude verificar no Vietname e no Mianmar, está em vias de chegar ao fim. Contudo, como se pode constatar pelos desenvolvimentos recentes, a liberdade de imprensa continua altamente vulnerável, uma vez que os governos e os "interesses instituídos organizados em rede com a política" - segundo afirma a investigadora política Alina Mungiu-Pippidi - empreendem uma espécie de supervisão suave que pode ser caracterizada como "controlo dos meios de comunicação social".

Os economistas utilizaram o termo "controlo" na sequência da crise financeira de 2008 para descrever a razão pela qual os reguladores - que frequentemente eram provenientes (e regressavam) ao sector que deveriam supervisionar - foram incapazes de monitorizar o sector de forma adequada. O controlo dos meios de comunicação social funciona da mesma forma: os líderes políticos detêm a propriedade total dos meios de comunicação social (veja-se o caso de Itália, com Silvio Berlusconi) ou garantem a lealdade dos seus responsáveis através de clientelismo ou do castigo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

Log in

http://prosyn.org/2fyLqrd/pt;

Handpicked to read next