As Opções do Mundo Árabe

AMÃ – Quando o despertar Árabe se iniciou em 2011, o seu principal objectivo deveria ter sido a promoção do pluralismo e da democracia – causas que foram negligenciadas durante o primeiro e anticolonialista despertar do mundo Árabe no século XX. Mas, depois de três anos de luta, esse processo ainda mal se iniciou. Conseguirá o segundo despertar Árabe atingir finalmente os seus objectivos?

A resposta depende de qual dos três modelos for usado pelos países Árabes na condução da sua transição: um modelo inclusivo e clarividente, que vise a criação de consensos; uma abordagem de vencedor absoluto, que exclua grandes segmentos da população; ou uma abordagem de não parar por nada, focada na sobrevivência do regime. Estes modelos reflectem as grandes diferenças existentes nos países Árabes entre as circunstâncias actuais e as perspectivas para o futuro.

O exemplo mais forte do modelo inclusivo é a Tunísia, onde antigos adversários formaram um governo de coligação, sem interferência militar. Claro que o processo não foi fácil. Mas, depois de uma luta tensa, os Tunisinos reconheceram que a cooperação era o único caminho possível.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/FCvlwqi/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.