5

Um Sonho para a Era Digital

PRINCETON – Há cinquenta anos, Martin Luther King sonhava com uma América capaz de um dia cumprir a sua promessa de igualdade para todos os cidadãos, negros e brancos. Actualmente, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, também tem um sonho: promover o acesso à Internet aos cinco mil milhões de pessoas em todo o mundo que ainda não têm acesso a esta rede de comunicações.

A visão de Zuckerberg pode parecer um impulso motivado por interesse próprio para conseguir mais utilizadores para o Facebook. Contudo, o mundo enfrenta actualmente uma clivagem tecnológica crescente, com implicações para a igualdade, para a liberdade e para o direito de procurar a felicidade, que não são menos importantes do que a divisão racial contra a qual Luther King protestava.

Mais de dois mil milhões de pessoas em todo o mundo vivem na Era Digital. Têm acesso a um vasto universo de informações, podem comunicar com os seus amigos e familiares a custos reduzidos ou de forma gratuita e ligar-se a outras pessoas com quem podem cooperar de diferentes formas. Os restantes cinco mil milhões ainda estão presos na Era do Livro, na qual a minha geração cresceu.

Naquela época, quando queríamos saber alguma coisa, mas não possuíamos uma enciclopédia cara (ou a nossa enciclopédia já não estava suficientemente actualizada para conter a informação que pretendíamos), tínhamos de deslocar-nos a uma biblioteca e passar horas à procura da informação pretendida. Para entrar em contacto com amigos ou colegas no estrangeiro, tínhamos de escrever-lhes uma carta e esperar, pelo menos duas semanas, por uma resposta. O custo das chamadas telefónicas internacionais era proibitivo e a ideia de conseguirmos ver o nosso interlocutor durante uma conversa fazia parte da ficção científica.