Mali e a reforma islâmica

PARIS – O Mali é um país da África Ocidental, rodeado de terra, com 15 milhões de pessoas. Tem uma área de 1 240 000 quilómetros quadrados (478 800 milhas quadradas), sendo três quartos constituídos por deserto. No século XIV, o poderoso Império Mali incluía partes dos actuais Senegal, Guiné e Níger. Derrotado e dividido, tornou-se numa colónia francesa, no século XIX, recuperando a independência em 1960.

A população do Mali é diversa: nómadas do deserto, especialmente tuaregues, no Norte, e uma maioria de populações negras sedentárias, no Sul. São faladas muitas línguas, mas o Islamismo, ao qual quase 95 por cento da população adere, é um factor unificador. A agricultura é a principal actividade económica, particularmente no vasto delta interno do rio Níger, lar de muitas tribos, incluindo os Dogon, um povo extraordinário pela sua escultura e arquitectura.

Sob uma ditadura militar, durante muito tempo, Mali tornou-se numa história africana de sucesso democrático entre 1991 a 2012, antes de um golpe mutilar as suas instituições públicas rudimentares. No Norte, os tuaregues que viajavam para a Mauritânia, Argélia e Níger, ficaram particularmente enfraquecidos devido à seca persistente e ao colapso da economia de caravana. Muitos optaram pelo tráfico de armas, de escravos ou de ouro; alguns estão a exigir a independência.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/Ssyx2vy/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.