Skip to main content
okumu1_CRISTINA ALDEHUELAAFPGetty Images_malariaworker Cristina Aldehuela/AFP/Getty Images

Porque é que a malária está novamente em ascensão?

DAR ES SALAAM – Os mosquitos são frequentemente descritos como os animais mais perigosos do planeta, porque as doenças que transmitem - incluindo malária, dengue e Zika - causam mais de um milhão de mortes por ano. Mas as estratégias para mitigar essas ameaças continuam a estar longe de serem adequadas.

Veja-se o caso da malária, que, de acordo com a Organização Mundial da Saúde, infetou mais de 200 milhões de pessoas em 2017, matando 435 mil. Até à década de 1940, mais ou menos, as estratégias para combater a malária baseavam-se em três pilares: melhor gestão ambiental, melhoria das habitações e sistemas de saúde mais sólidos. Como parte integrante dos mecanismos de transmissão da malária (descritos pela primeira vez há mais de 100 anos), as autoridades de saúde pública concentraram-se na redução da proliferação do mosquito Anopheles, na exposição das pessoas ao mesmo e no seu acesso a cuidados médicos apropriados.

Os países que adotaram essa abordagem obtiveram grandes progressos - e, na maioria dos casos, mantiveram-se livres de malária. Nos Estados Unidos, por exemplo, as mortes por malária diminuíram até 75%, entre 1920 e 1939.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

Help make our reporting on global health and development issues stronger by answering a short survey.

Take Survey

https://prosyn.org/SYqOYIW/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions