rodrik176_ANDREW HARNIKPOOLAFP via Getty Images_pompeoUShuawei Andrew Harnik/Pool/AFP via Getty Images

A rutura iminente na tecnologia global

CAMBRIDGE – O regime de comércio internacional que temos agora, expresso nas regras da Organização Mundial do Comércio e de outros acordos, não é deste mundo. Ele foi projetado para um mundo de carros, aço e têxteis; não para um mundo de dados, software e inteligência artificial. Já sob forte pressão devido à ascensão da China e à reação contra a hiperglobalização, é totalmente inadequado enfrentar os três principais desafios que estas novas tecnologias representam.

Em primeiro lugar, existe a geopolítica e a segurança nacional. As tecnologias digitais permitem que as potências estrangeiras acedam ilegalmente às redes industriais, realizem ciberespionagem e manipulem as redes sociais.  A Rússia foi acusada de interferir nas eleições nos Estados Unidos e noutros países ocidentais através de sites de notícias falsas e da manipulação das redes sociais. O governo dos Estados Unidos reprimiu a gigante chinesa Huawei devido ao receio de que as ligações da empresa com o governo chinês tornem os seus equipamentos de telecomunicações uma ameaça à segurança.

Em segundo lugar, existem preocupações em relação à privacidade individual. As plataformas da Internet são capazes de recolher grandes quantidades de dados sobre o que as pessoas fazem online e offline, e alguns países têm regras mais rígidas do que outros para regulamentar o que podem fazer com isso. A União Europeia, por exemplo, promulgou multas para as empresas que não protegem os dados dos residentes na UE.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/CWWrEHQpt