Dados e Desenvolvimento

WASHINGTON, DC – Desde o virar do século, a comunidade desenvolvimentista internacional tem-se mobilizado em torno dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio, que definem alvos específicos em oito áreas-chave, que incluem a pobreza, a mortalidade infantil, e a doença, a serem atingidos em 2015. Na formulação da agenda desenvolvimentista do pós-2015, medir os sucessos dos ODM – e identificar onde é que o progresso se atrasou – é criticamente importante. E isso exige mais e melhores dados.

De facto, as instituições internacionais e muitos países em desenvolvimento investiram significativamente na melhoria da recolha de dados, para melhor acompanhar o seu desempenho relativamente aos alvos dos ODM. Em 2003, apenas quatro países tinham dois valores para 16 ou mais dos 22 principais indicadores dos ODM; no ano passado, esse número tinha disparado para 118 países.

Mas os dados sobre o desenvolvimento permanecem um recurso escasso no mundo em desenvolvimento. Dado o seu valor para medir – e impulsionar – o progresso social e económico, esta escassez deverá ser urgentemente resolvida. É necessário um catalisador para expandir a produção e o uso dos dados de desenvolvimento. Com isto em mente, o painel de alto nível sobre a agenda do desenvolvimento para o pós-2015 tem razão em apelar a uma “revolução de dados” global. 

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/gHd3D9L/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.