Medir o crescimento inclusivo

WASHINGTON, DC –Quando o prazo dos Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) expirar no próximo ano, o mundo será capaz de apontar várias conquistas importantes desde o seu lançamento em 2000. A pobreza extrema foi reduzida a metade durante este período; estima-se que 100 milhões de moradores de bairros de lata passaram a ter acesso à água potável, e milhões a cuidados de saúde; e um grande número de raparigas está agora a receber educação. Mas um número considerável de empresas inacabadas e discrepâncias significativas no desempenho permanecem.

A agenda de desenvolvimento pós-2015 vai continuar onde os ODM pararam, ao mesmo tempo que adiciona novos objectivos respeitantes à inclusão, sustentabilidade, empregos, crescimento e governação. O sucesso dos próximos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) dependerá de como os novos programas são desenvolvidos, implementados e medidos.

O forte crescimento económico permite às pessoas melhorarem as suas vidas e cria espaço para novas ideias prosperarem. Mas tal crescimento é muitas vezes acompanhado pela degradação ambiental, a qual diminui a saúde humana e a qualidade de vida, ameaça o abastecimento de água e compromete os ecossistemas, impedindo o crescimento das gerações futuras. Além disso, o crescimento a curto prazo que corrói o capital natural é vulnerável a ciclos de expansão e retracção e pode fazer com que as pessoas que vivem perto da linha de pobreza fiquem muito abaixo dela.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/w2BbKjj/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.