A vida depois de Darwin

MARSELHA - Muitos filósofos gregos perceberam que o mundo estaria num movimento perpétuo - um processo de constante evolução. No mundo de Charles Darwin, no entanto, o criacionismo estabeleceu as regras da ciência. Sendo assim, sustentar a sua teoria da evolução sob a interpretação literal da Bíblia que dominou a sua época, combinava com a visão Aristotélica da natureza como definitivamente fixada.

Darwin, juntamente com J. B. Lamarck, promoveu uma visão de um mundo em mutação, sem deixar de preservar a ideia de que organismos evoluíram de uma só raiz - uma posição detida por Adão e Eva na visão criacionista do mundo e retomada na era moderna pelo último ancestral comum universal (LUCA). E a partir dessa parte da história bíblica sobre a criação surgiu a noção de uma árvore da vida, juntamente com grandes conceitos, tais como o gradualismo (a visão dessa especiação não ocorre abruptamente) e a ideia de que as pressões de selecção de menor importância podem, ao longo do tempo, ter um profundo efeito na condição física melhorada.

A visão do mundo de Darwin influenciou profundamente a biologia no século XX, apesar das persistentes questões colocadas por factores como a transferência lateral dos genes, a evolução neutra e o engarrafamento caótico na selecção natural. Mas recentes pesquisas genéticas refutam inequivocamente esta visão do mundo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/jeGjaAu/pt;