A Minoria Jihadista da Líbia

DOHA – “Eles estão armados e eu não vou travar uma batalha perdida nem matar os meus homens por um templo demolido,” disse Fawzi Abd al-‘Aali, o antigo ministro Líbio do Interior, antes de se “demitir” no último mês de Agosto. Referia-se aos grupos armados Salafistas, acusados de destruir templos Sufistas. Um dos grupos acusados foi a Brigada Ansar al-Shariah, que fora rápida a apoiar a demolição, mas que negou qualquer responsabilidade pelo acto.

Ahmed Jibril, o vice-embaixador da Líbia em Londres, acusou agora a Brigada, chefiada por Muhammed Ali Al-Zawahy, de perpetrar o ataque ao Consulado dos EUA em Benghazi, que matou o embaixador Americano, Christopher Stevens, e três outros funcionários americanos, bem como guardas Líbios. Outros foram rápidos a adoptar e a secundar a acusação de Jibril. Mas o quadro é mais complexo.

A Brigada negou responsabilidade numa declaração escrita, tal como numa breve entrevista com o seu porta-voz, que à altura estava encarregue de guardar o Hospital Al Jala, em Benghazi. Assim como na sua comunicação sobre a destruição dos templos Sufistas, negou qualquer envolvimento no ataque ao Consulado dos EUA, mas reafirmou a gravidade do insulto contra o Profeta que putativamente o teria despoletado.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/pr2IJ0u/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.