Acompanhar do Alto

PARIS – A intervenção militar francesa no Mali está a decorrer a bom ritmo e o recente fim da ocupação de Timbuktu representa um marco significativo no esforço para derrotar os rebeldes islâmicos que tinham assumido o controlo do norte do país. Numa perspectiva mais ampla, o aparente sucesso da intervenção colocou em evidência três elementos fundamentais.

O primeiro elemento confirma que França mantém a capacidade de agir como força motriz da Europa. O país possui uma força militar grande e de rápida mobilização, como já o demonstrou aquando da sua intervenção na Líbia, em 2011. Além disso, esta capacidade militar está vinculada a uma visão do mundo e não apenas à mera defesa de interesses económicos.

No Mali, os franceses não pretendem reivindicar recursos, exportar a democracia, ou prolongar uma Françafrica na qual já não acreditam. Mais prosaicamente, França pretende estabilizar um país que está sujeito a forças violentas, que nem sempre são lideradas por malianos, e que são susceptíveis de perturbar toda a sub-região, ameaçando a Europa.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/oQlS1H6/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.