Complacência num Mundo sem Líderes

DAVOS – A reunião anual do Fórum Económico Mundial em Davos perdeu algum do seu brio pré-crise. Afinal, antes do colapso de 2008, os capitães da finança e da indústria podiam propagandear as virtudes da globalização, da tecnologia e da liberalização financeira, que supostamente apregoavam uma nova era de crescimento incessante. Os benefícios seriam partilhados por todos, se todos fizessem “a coisa certa”.

Esses dias acabaram. Mas Davos permanece um bom lugar para nos apercebermos do zeitgeist (NdT: espírito do tempo, al.orig.) global.

Escusado será dizer que os países em vias de desenvolvimento e emergentes já não olham para os países avançados como faziam antigamente. Mas um comentário de um executivo de uma empresa mineira proveniente de um país em desenvolvimento captou o espírito da mudança. Em resposta ao sentido desespero por parte de um perito de desenvolvimento, devido ao facto de tratados comerciais injustos e promessas de ajuda por cumprir terem custado aos países desenvolvidos a sua autoridade moral, ele respondeu: “O Ocidente nunca teve qualquer autoridade moral.” O colonialismo, a escravatura, a fragmentação de África em pequenos países, e uma longa história de exploração de recursos podem ser assuntos de um passado distante para os agressores, mas não tanto para aqueles que sofreram com isso.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/y6DLk03/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.