O sonho chinês da Índia

SEUL – Nos últimos anos, a China e a Índia emergiram como potências económicas globais, com a China a assumir a liderança. No entanto, perante a desaceleração do crescimento chinês e a acuidade acrescida da necessidade de mudança estrutural, será que os esforços em matéria de reforma económica envidados pelo novo Primeiro-Ministro da Índia, Narendra Modi, irão permitir que o país recupere o atraso?

Desde a década de 1980, a China tem registado um crescimento económico sem precedentes, alimentado por uma abundante mão-de-obra de baixo custo, elevadas taxas de poupança e de investimento, reformas de mercado substanciais, políticas orientadas para o exterior e uma gestão macroeconómica prudente. Os seus dirigentes esperam agora conseguir o estatuto de país de elevado rendimento graças ao desenvolvimento de indústrias tecnologicamente mais sofisticadas.

O desempenho económico da Índia tem sido menos digno de destaque. O crescimento económico começou a acelerar drasticamente no início da década de1990 em virtude da liberalização do comércio e de outras reformas económicas. Posteriormente verificou-se a estagnação do processo de reforma, os défices orçamental e da balança de transacções correntes subiram em flecha e o crescimento anual do PIB baixou para 4-5%.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/pgm65M4/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.