Democracias descontentes

CIDADE DO MÉXICO – Em 2011 e em 2012, dezenas de milhares de estudantes manifestaram-se em Santiago, Chile, exigindo maior acesso ao ensino superior. No início deste ano, centenas de milhares de brasileiros marcharam nas ruas de São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, apelando por uma melhoria nos serviços de saúde pública, melhores escolas e transportes públicos mais eficientes e mais económicos. E os colombianos e os peruanos de todas as camadas sociais (especialmente camponeses, proprietários de fazendas e mineiros), bem como os professores de escolas mexicanas, ocupam agora os centros de Bogotá, Lima e da Cidade do México, prejudicando a vida quotidiana dos habitantes e criando sérios problemas às autoridades.

Estes países, em tempos modelos de esperança económica e de promessa democrática na América Latina, tornaram-se exemplos de democracias sem legitimidade ou credibilidade. Apesar de terem feito progressos sociais significativos nos últimos anos, tornaram-se centros de agitação popular. E os seus Presidentes, apesar da sua inegável competência, estão a ver os seus índices de aprovação cair a pique.

Estes paradoxos são desconcertantes e reveladores. Para começar, eles reflectem um problema do crescimento económico. A economia do Chile teve um bom desempenho ao longo dos últimos dois anos, apesar dos preços baixos do cobre a nível mundial, mas a sua taxa de crescimento anual está muito longe de ser a mesma que teve nos 25 anos anteriores. O bálsamo económico aplicado nas feridas sociais e culturais antigas está a perder a sua eficácia.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/ERw5NKg/pt;