rogoff210_ NELSON ALMEIDAAFP via Getty Images_brazilprotest Nelson Almeida/AFP via Getty Images

Debaixo do vulcão latino-americano

CAMBRIDGE – A atual separação entre a calmaria dos mercados e as tensões sociais subjacentes talvez seja mais intensa na América Latina do que em qualquer outro lugar. A questão é saber quanto tempo mais poderá continuar essa flagrante dissonância.

Por enquanto, os dados económicos da região continuam a melhorar e os mercados de dívida permanecem misteriosamente imperturbáveis. Mas há uma raiva fervente a espalhar-se pelas ruas, principalmente (mas não apenas) na Colômbia. E já com a taxa de novos casos diários de COVID-19 na América Latina quatro vezes mais alta do que a média nos mercados emergentes, mesmo com o início de uma terceira vaga da pandemia, os 650 milhões de pessoas da região enfrentam um desastre humanitário que se vai revelando.

À medida que a incerteza política aumenta, o investimento de capital estagna numa região já afetada por um baixo crescimento da produtividade. E o pior ainda é que uma geração de crianças da América Latina perdeu quase um ano e meio de escolaridade, prejudicando ainda mais as esperanças de alcançar a recuperação educacional com a Ásia e muito menos com os Estados Unidos.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/rH2ZheEpt