Empowering Indian teenage girls Hindustan Times/Getty Images

Libertar o potencial das jovens

NOVA IORQUE – Visitei recentemente um “clube de raparigas” – um lugar seguro onde as adolescentes se reúnem com orientadores especializados, para estabelecerem as suas redes sociais e aprenderem competências para a vida – no distrito de Tonk, no Rajastão indiano. Assim que cheguei, fui saudado por um grupo de adolescentes que saltitava pela estrada, tão cheias de energia e riso que não pude deixar de sorrir também. Imagine-se, pensei então, o potencial de 600 milhões de jovens como estas.

Chegou a maior geração da História de raparigas com idades entre os 10 e os 19 anos, pronta para deixar a sua marca no mundo. Os governos, as organizações para o desenvolvimento e as instituições privadas estão ansiosos por ajudá-las a traduzir esse potencial juvenil num motor para a criatividade, crescimento económico e progresso social. Mas, no caminho que as levará a esse futuro, as jovens continuam a enfrentar obstáculos importantes.

Perto de 170 milhões de raparigas (quase um terço das jovens em todo o mundo) não estão matriculadas na escola. Esta é uma enorme oportunidade perdida: por cada ano de escolaridade de que abdica, uma rapariga vê o seu rendimento potencial descer 10 a 20%. Porém, continuam a existir grandes barreiras contra o estímulo à escolarização, a começar pela persistência do casamento infantil.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/KyZSpCf/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.