Black Lives Matter counter protestors at the Unite the Right rally Evelyn Hockstein/For The Washington Post via Getty Images

Quando venceremos?

NOVA IORQUE – Em 1967, eclodiram motins em cidades por todos os Estados Unidos, desde Newark, em Nova Jérsia, até Detroit e Mineápolis no Midwest – dois anos depois do bairro de Watts, em Los Angeles, ter explodido com violência. Como resposta, o presidente Lyndon B. Johnson nomeou uma comissão, chefiada pelo governador do Illinois Otto Kerner, para investigar as causas e propor medidas para a sua resolução. Há cinquenta anos, a Comissão Consultiva Nacional sobre as Desordens Civis (mais conhecida como a Comissão Kerner) publicou o seu relatório, proporcionando um relato cru das condições na América que levaram às desordens.

A Comissão Kerner descreveu um país em que os afro-americanos enfrentavam uma discriminação sistemática, sofriam com educação e habitação inadequada, e não conseguiam aceder a oportunidades económicas. Para eles, o sonho americano não existia. A raiz do problema residia “na atitude e comportamento raciais dos americanos brancos relativamente aos americanos negros. O preconceito racial moldou a nossa história de forma decisiva; ameaça agora afectar o nosso futuro.”

Participei num grupo convocado pela Fundação Eisenhower para avaliar os progressos alcançados no meio século seguinte. Infelizmente, a frase mais famosa do relatório da Comissão Kerner – “A nossa nação progride no sentido de duas sociedades, uma negra e outra branca – separadas e desiguais” – permanece verdadeira.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/ofc5NJd/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.