Men with tape on their faces take part in a march called by Kenyan journalists SIMON MAINA/AFP/Getty Images

Uma perda para a democracia do Quénia

NAIROBI – Em 27 de Março, oito colunistas do Nation Media Group demitiram-se do jornal The Nation, alegando falta de independência editorial. Para o maior jornal diário do Quénia, a saída de talentos importantes constituiu o derradeiro golpe para uma reputação já manchada. O jornal sofreu uma série de episódios embaraçosos nos últimos meses, incluindo a saída de pessoas com posições de destaque, despedimentos em massa pela empresa-mãe e acusações de ingerência do Estado no processo editorial.

Mas as demissões foram mais do que mais uma rejeição de uma instituição outrora famosa; foram um lembrete de que os meios de comunicação social continuam a ser um interveniente poderoso na jovem democracia do Quénia. Quando os governos condicionam os jornalistas — no Quénia, ou em outro lugar — fazem-no por sua conta e risco.

Tal como muitos países africanos, o Quénia tem uma longa tradição do que podemos designar como "jornalismo militante” — a divulgação de notícias e ideias destinadas a inspirar a ação política ou social. A prática tem as suas raízes no anti-colonialismo; quando o The Nation foi fundado (1960), juntou-se a outras publicações pan-africanas como o New African e o Drum para se opor ao domínio colonial. Ao proporcionar aos quenianos uma plataforma para expressar a sua oposição, o The Nation - liderado pelos seus jornalistas - ajudou os protestantes articular as ideias e os slogans que animaram os seus movimentos. Para muitos colunistas, o simples facto de escreverem para estas revistas foi um acto de resistência.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/n346fMk/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.