Paul Lachine

Os vigilantes americanos de Merkel

BERLIM – Os alemães costumavam dizer na brincadeira que a “queda” da chanceler Angela Merkel para comunicar através de mensagens de texto efémeras tinha efectivamente marcado o fim da historiografia tradicional. Bem, pelo menos parece que as agências de espionagem americanas mantiveram-se a par de todas as comunicações efectuadas nos bastidores - em Berlim e além.

Infelizmente, o presidente dos EUA, Barack Obama e o seu governo ainda têm de compreender a dimensão e a gravidade dos danos causados à credibilidade dos Estados Unidos entre os seus aliados europeus. O problema não é que os países se vigiem uns aos outros (todos eles o fazem). É mais propriamente a extensão da recolha de informações dos EUA e a atitude da América para com os aliados que causa mais estragos.

Os confrontos anteriores nas mais diversas questões, tais como a alteração climática, os detidos na Baía de Guantánamo e a Guerra do Iraque expuseram uma ruptura na compreensão mútua, por vezes decorrente de diferenças acentuadas em relação à melhor forma de se atingir determinados objectivos em comum. Mas a crise das escutas telefónicas e outras revelações preocupantes do antigo analista da NSA, Edward J. Snowden, apontam para um problema mais profundo: a crise de desconfiança mútua que corre o risco de se tornar numa séria falha transatlântica, numa altura em que a cooperação mais próxima nas áreas da política, da economia e da segurança, entre a Europa e os Estados Unidos, é mais necessária do que nunca.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/RgdCzLL/pt;