As Crianças de Mandela

NAIROBI – Antes de eu saber que Nelson Mandela existia, pensava que o nosso líder, o Presidente Queniano Daniel Toroitich arap Moi, era o único estadista do mundo. Tinha cinco anos de idade, e para mim não existia mundo para além de Nairagie Enkare, a minha terra natal na Masailândia rural. Moi era uma figura mítica para mim, porque não morava em Nairagie Enkare, e no entanto estava sempre presente através da rádio, uma tecnologia demasiado complicada para uma criança como eu compreender.

Todos os boletins noticiosos da estação de rádio controlada pelo governo começavam com o que “Sua Excelência, o Santo Presidente Daniel Toroitich arap Moi” tinha dito ou feito. Visitou uma escola. Plantou uma árvore. Ajudou um grupo de mulheres. Frequentou a igreja. Disse que a agricultura era a coluna dorsal da nossa nação. Disse que éramos afortunados por viver no Quénia. Durante o dia, as ondas de rádio enchiam-se com canções repetindo a mensagem do Pai da Nação, e lembrando aos Quenianos seguir-lhe as pegadas.

Talvez porque o que saía da rádio fosse tão previsível, as pessoas procuravam notícias alternativas no Serviço Swahili da BBC. Em muitas tardes, às seis horas, os homens reuniam-se para ouvir nas casas dos poucos, como o meu pai, que tinham rádios. As notícias duravam apenas 30 minutos, e por isso toda a gente tinha que estar em silêncio absoluto. Mas, a 11 de Fevereiro de 1990, os homens começaram a dizer repetidamente, “Ele está livre! Ele está livre! Nelson Mandela está livre!”

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/RMYyHKd/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.