O Mau Uso da Lei no Caso de Julian Assange

MADRID - O alvoroço em torno da concessão de asilo político por parte do Equador ao fundador da WikiLeaks, Julian Assange, encapotou  inconsistências enormes. Apenas através da sua análise poderemos entender o que está verdadeiramente em causa neste caso.

Para começar, um governo com um registro duvidoso em matéria de liberdade em geral e de liberdade de imprensa em particular, está a acenar a bandeira do Estado de direito e do respeito pela liberdade de expressão enquanto lança dúvidas sobre a Suécia, um país que lidera o mundo em termos do respeito das garantias processuais e do direito internacional.

E isto não é tudo. O chefe da equipa de advogados de Assange, Baltasar Garzón, tem sido um defensor fervoroso da interpretação mais restrita de asilo político, tendo obtido prestígio internacional com o êxito do pedido de extradição do ditador chileno Augusto Pinochet. Agora, porém, está a defender exactamente o oposto.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/k7E4MD4/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.