Repensar JFK

CAMBRIDGE – No dia 22 de Novembro assinalar-se-á o 50 º aniversário do assassinato do Presidente John F. Kennedy. Para as pessoas que viveram essa época, tratou-se de um acontecimento de tal modo chocante que ainda se lembram onde se encontravam quando ouviram a notícia. Eu estava a sair de um comboio em Nairobi, quando vi o título da trágica notícia.

Kennedy tinha apenas 46 anos quando foi assassinado, em Dallas, por Lee Harvey Oswald, um antigo fuzileiro naval que, descontente, desertara para a União Soviética. Embora a sua vida tenha sido martirizada pela doença, Kennedy projectou uma imagem de juventude e de vigor que contribuiu para aumentar o drama e a pungência da sua morte.

O martírio levou muitos americanos a elevar Kennedy à categoria de grandes Presidentes como George Washington e Abraham Lincoln, porém, os historiadores têm sido mais comedidos nas suas apreciações. Os críticos apontam-lhe um comportamento sexual por vezes imprudente; um fraco desempenho a nível legislativo e o fracasso em assegurar a correspondência entre as palavras e os actos. Embora Kennedy tenha falado a respeito de direitos civis, redução de impostos e redução da pobreza, foi o seu sucessor, Lyndon Johnson, que, fazendo uso do martírio de Kennedy e dotado de uma competência política bastante mais impressionante, aprovou uma legislação histórica nestes domínios.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/dAERtgT/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.