Uma agenda para salvar o euro

NOVA IORQUE – Já se passaram três anos desde a eclosão da crise do euro e só um optimista inveterado diria que claramente o pior já passou. Alguns, ao notarem que a nova queda da recessão da zona euro tinha terminado, concluíram que o “remédio” austeridade tinha funcionado. Mas tente dizer isso aos países que ainda estão em depressão, com o PIB per capita ainda abaixo dos níveis pré-2008, as taxas de desemprego acima dos 20% e o desemprego entre os jovens acima dos 50%. Ao ritmo actual da “recuperação”, não se poderá esperar um regresso à normalidade antes da próxima década.

Um estudo recente realizado por economistas da Reserva Federal concluiu que o prolongado desemprego elevado na América terá graves efeitos adversos no crescimento do PIB, nos próximos anos. Se isso for verdade para os Estados Unidos da América, onde o desemprego é 40% menor do que na Europa, as perspectivas para o crescimento europeu parecem realmente pouco animadoras.

O que é necessário, acima de tudo, é uma reforma fundamental na estrutura da zona euro. Até agora, há uma compreensão bastante clara do que é exigido:

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/sRNxgww/pt;

Handpicked to read next

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.