Matthew Petroff/Wikimedia Commons

Criando uma Sociedade de Aprendizagem

NOVA IORQUE – Os cidadãos dos países mais ricos do mundo pensam hoje nas suas economias como sendo baseadas na inovação. Mas a inovação faz parte da economia do mundo desenvolvido há mais de dois séculos. De facto, durante milhares de anos, até à Revolução Industrial, os rendimentos estagnaram. De seguida, o rendimento per capita disparou, aumentando ano após ano, interrompido apenas pelos efeitos ocasionais de flutuações cíclicas.

O economista laureado com o Nobel Robert Solow observou há cerca de 60 anos que o aumento dos rendimentos deveria ser largamente atribuído não à acumulação de capital, mas ao progresso tecnológico – a aprender a fazer as coisas melhor. Embora parte do aumento de produtividade reflicta o impacto de descobertas importantes, uma grande parte foi devida a pequenas mudanças incrementais. E, se for esse o caso, faz sentido que centremos a atenção em como as sociedades aprenderam, e o que pode ser feito para promover a aprendizagem – incluindo aprender a aprender.

Há um século atrás, o economista e cientista político Joseph Schumpeter argumentou que a virtude fundamental de uma economia de mercado era a sua capacidade de inovar. Ele observou que o foco tradicional dos economistas em mercados competitivos estava mal posicionado; o que importava era a concorrência para o mercado, e não a concorrência no mercado. A concorrência para o mercado conduzia à inovação. Uma sucessão de monopolistas conduziria, nessa visão, a padrões de vida mais elevados no longo prazo.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/1OlZRib/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.