Tirar o Bico aos Abutres

NOVA IORQUE – No meio da disputa em curso entre a Argentina e os “fundos-abutre” (no original, vulture funds – NdT) que detêm as suas obrigações, emergiu um consenso alargado sobre a necessidade de mecanismos de reestruturação da dívida soberana (MRDS). De outra forma, a decisão do Juiz Federal dos EUA, Thomas P. Griesa, de que a Argentina deverá pagar integralmente aos abutres (depois de 93% dos restantes credores terem acordado uma reestruturação) dará rédea livre a comportamentos oportunistas que sabotarão reestruturações futuras.

Mais recentemente, a Associação Internacional dos Mercados de Capitais (AIMC) recomendou novas condições para as obrigações de dívida pública. Embora a proposta da AIMC deixe por resolver as centenas de milhares de milhões de obrigações subscritas segundo as condições antigas, o novo enquadramento diz na verdade que a interpretação de Griesa estava errada, e reconhece que a sua manutenção tornaria as reestruturações impossíveis.

Os termos contratuais que a AIMC propôs clarificam a cláusula pari passu que esteve no centro da confusa decisão de Griesa. A intenção da cláusula – uma componente normal dos contratos de obrigações soberanas – era assegurar que o país emissor trataria, de modo idêntico, detentores de obrigações idênticos. Mas tem sido sempre reconhecido que os credores importantes – por exemplo, o Fundo Monetário Internacional – são tratados de modo diferente.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/sMG7ogf/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.