O Griesafault da Argentina

NOVA IORQUE – No dia 30 de Julho, os credores da Argentina não receberam o pagamento semestral relativo às obrigações que foram reestruturadas após o último incumprimento (default, no original – NdT) do país em 2001. Alguns dias antes, a Argentina depositara 539 milhões de dólares no Bank of New York Mellon. Contudo, o banco foi impedido transferir os fundos para os credores: O Juiz federal norte-americano, Thomas Griesa, proibiu a Argentina de concretizar o pagamento aos credores que aceitaram a sua reestruturação enquanto o país não pagar na íntegra (incluindo juros passados) àqueles que não a aceitaram.

Foi a primeira vez na história que um país estava disposto e tinha possibilidade de pagar aos seus credores, mas foi impedido de o fazer por um juiz. Os órgãos de comunicação social designaram esta situação como o default da Argentina, no entanto, o termo “#Griesafault” utilizado na hashtag do Twitter parece ser bem mais apropriado. A Argentina cumpriu as suas obrigações para com os seus cidadãos e os credores que aceitaram a respectiva reestruturação. A decisão de Griesa, porém, constitui um incentivo à conduta usurária, ameaça o funcionamento dos mercados financeiros internacionais e desafia o princípio básico do capitalismo moderno de que os devedores insolventes necessitam de um novo começo.

Os incumprimentos soberanos ocorrem com frequência e por diferentes razões. No caso da Argentina, a via para o incumprimento de 2001 teve início com o aumento da dívida soberana do país na década de 1990. Esta situação ocorreu em paralelo com as reformas económicas neoliberais do “Consenso de Washington” que, de acordo com a convicção dos credores, iriam enriquecer o país. A experiência não foi bem-sucedida e a Argentina sofreu uma crise económica e social profunda, com uma recessão que se prolongou de 1998 a 2002. Quando chegou ao fim, 57,5% da população argentina vivia em situação de pobreza, o que constitui um número recorde, e a taxa de desemprego disparou para 20,8%.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/DXc65W6/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.