A Europa regressa ao passado

BERLIM – Se há um episódio histórico que ainda causa calafrios à maioria dos europeus, mesmo decorrido um século, é o deflagrar da Primeira Guerra Mundial, a grande catástrofe europeia que teve início nos últimos dias de Julho de 1914. Na verdade, exactamente cem anos mais tarde, após duas guerras mundiais e uma guerra fria, tais calafrios surgem mais pronunciados do que nunca.

Considerando a história sangrenta da Europa, os países que estabeleceram a União Europeia de hoje optaram pela não-violência, a inviolabilidade das fronteiras, a democracia e o Estado de direito. Escolheram a cooperação, e até a integração, em vez do confronto militar, e o desenvolvimento económico em vez da política de poder. No entanto, o regresso da política de poder no que diz respeito às suas fronteiras e vizinhança imediata leva a "Europa da UE" a recuar no tempo, desafiando-a uma vez mais.

No Leste, o Kremlin do presidente Vladimir Putin pretende mudar as fronteiras nacionais pela força e, deste modo, garantir o regresso da Rússia como potência imperial mundial. Entretanto, o caos e a violência (mais pronunciados na Síria, no Iraque e em Gaza) ameaçam invadir todo o Médio Oriente, desafiando a integridade territorial dos Estados na sua maioria resultantes do acordo de paz estabelecido por ocasião da Primeira Guerra Mundial.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/E1P4vUx/pt;