A Longa Sombra da Grande Guerra

BERLIM – Este ano marca o centenário da deflagração da I Grande Guerra, e isso é razão suficiente para reflectirmos sobre o que esta catástrofe Europeia seminal nos ensina hoje. Na verdade, as consequências da Grande Guerra nas relações internacionais e no sistema global de estados continuam a ser sentidas. Então, aprendemos algo com os falhanços políticos de governos, instituições, e da diplomacia internacional que aconteceram no Verão de 1914?

Grandes partes do hemisfério norte continuam a debater-se com os legados dos grandes impérios Europeus – Habsburgo, Russo, e Otomano – que colapsaram no rescaldo da I GG, ou cujo declínio, como o do Império Britânico, se iniciou com a guerra e foi selado pela sua sequela, ainda mais sangrenta, da geração seguinte. As zonas de fractura resultantes – nos Balcãs e no Médio Oriente, por exemplo – são fonte de alguns dos mais graves riscos actuais para a paz regional e mesmo mundial.

Depois do fim da Guerra Fria, e do colapso do sucessor Soviético do Império Russo, a guerra regressou aos Balcãs em condições muito parecidas às que prevaleciam no período pré-1914, com o nacionalismo agressivo a reconfigurar, em última análise, a Jugoslávia que se desintegrava em seis estados separados. Claro, o Presidente Sérvio Slobodan Milošević, cujo apelo a uma “Grande Sérvia” despoletou a guerra, não estava só: durante um momento, a Europa esteve em perigo de voltar à confrontação de 1914, com a França e o Reino Unido a apoiar a Sérvia, e a Alemanha e a Áustria a favorecer a Croácia.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/FcujK7w/pt;