O Médio Oriente no Inverno Árabe

BERLIM – Viajar abre a mente, diz o velho ditado. Isto é especialmente verdade para o Médio Oriente. Mas hoje em dia viajar para lá pode ser extremamente desorientador; na verdade, os desenvolvimentos que eram impossíveis de contemplar apenas há alguns meses estão agora a tornar-se realidade.

A revolta da juventude que começou em Tunes e no Cairo em 2010-2011 chegou ao fim (pelo menos por enquanto), se bem que a região tenha ficado alterada fundamentalmente devido a ela. A vitória da contra-revolução e da política do poder, como aconteceu no Egipto, só pareceu restaurar a velha ordem; as bases políticas do regime actual são simplesmente demasiado frágeis.

Igualmente notável foi a mudança permanente no eixo político-estratégico da região. O Irão, com as suas ambições nucleares e hegemónicas, é o centro actual, enquanto o centro antigo - o conflito entre israelitas e palestinos - foi marginalizado, dando origem permanentemente a novas alianças de interesses. A Arábia Saudita e Israel (que não têm relações diplomáticas formais) estão unidos contra o Irão - e contra a possibilidade de um desanuviamento entre os EUA e o Irão.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/PNm4ojG/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.