marcovdz/Flickr

A Marcha dos Nacionalistas da Europa

BERLIM – A Europa é composta pelas suas nações, e assim tem sido há centenas de anos. É isso que torna a unificação do continente uma tarefa política tão difícil, mesmo hoje. Mas o nacionalismo não é o princípio de construção da Europa; pelo contrário, tem sido, e continua a ser, o princípio de desconstrução da Europa. É essa a principal lição a retirar dos ganhos dramáticos atingidos pelos partidos populistas anti-Europeus nas eleições para o Parlamento Europeu da semana passada.

É uma lição que todos os Europeus já deveriam ter aprendido. As guerras do século XX na Europa, afinal, foram travadas sob a bandeira do nacionalismo - e quase destruíram completamente o continente. No seu discurso dedespedida ao Parlamento Europeu, François Mitterrand destilou uma vida inteira de experiência política numa única frase: "O Nacionalismo significa guerra."

Este verão, a Europa irá comemorar o centenário da eclosão da I Guerra Mundial, que mergulhou a Europa no abismo da violência nacionalista moderna. A Europa irá também assinalar o 70º aniversário do desembarque dos Aliados na Normandia, que decidiria a Segunda Guerra Mundial em favor da democracia na Europa Ocidental (e, mais tarde, após o fim da Guerra Fria, em toda a Europa).

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/wQc785T/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.