O Médio Oriente e o Regresso da História

BERLIM – Desde que Francis Fukuyama defendeu, há mais de duas décadas, que o mundo teria atingido o fim da história, a história fez com que o mundo suspendesse a respiração. A ascensão da China, as guerras Balcânicas, os ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001, as guerras no Afeganistão e no Iraque, a crise financeira global de 2008, a “Primavera Árabe”, e a guerra civil Síria contradizem a visão de Fukuyama sobre o triunfo inevitável da democracia liberal. Na verdade, pode dizer-se que a história fechou um círculo no espaço de um quarto de século, desde a queda do comunismo na Europa em 1989 à renovada confrontação entre a Rússia e o Ocidente.

Mas é no Médio Oriente que se vê o impacto diário da história, e com as consequências mais dramáticas. O antigo Médio Oriente, formado a partir dos restos do Império Otomano depois da I Guerra Mundial, está claramente a desagregar-se, devido, em grande parte, às acções da América nesta região propensa ao conflito.

O pecado original dos Estados Unidos foi a sua invasão militar do Iraque em 2003, comandada pelo Presidente George W. Bush. Os “neoconservadores” no poder na altura não estavam conscientes da necessidade de preencher o vácuo de poder, tanto no Iraque como na região, a seguir à deposição de Saddam Hussein. A retirada precipitada e prematura do Presidente Barack Obama constituiu um segundo falhanço dos EUA.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/bifl4q4/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.